AS DECORRÊNCIAS DE UMA FINITUDE: O QUE PODE VIR A SER A ARTE DIANTE DOS COSTUMES E DESCOSTUMES DA NOSSA VIDA?

Tainara Oliveira

Resumo

Este breve artigo fará uma apresentação sobre as possibilidades de haver decorrências e, talvez, consequências para a vida do observador/espectador, diante de uma obra de arte tida como finalizada pelo artista que a criou. Pincelaremos também sobre o processo de criação de uma obra de arte, tendo a autoria, quem sabe, como uma consequência do decurso passado ao longo da vida do artista. E traremos ainda nesta composição, algumas notas para dar o tom sobre as dificuldades em torno da posse da obra de arte, bem como seu caráter de transitoriedade pelo mundo e de esparramo nas vidas com as quais a obra cruzar. Para alinhavar esses retalhos que aqui vos apresento, far-se-á através de duas obras de arte, uma singela crítica aos costumes que engessam nossas vidas (e nosso pensar).

Palavras chave: Costumes. Finitude. Obra de arte. Transitoriedade.

Português

© 2020 por IMFIC - Instituto Mineiro de Filosofia Clínica. Todos os direitos reservados. 

Sede: Rua Pardal, 05 - Caldas, MG

ISSN: 2359-4950