Ano V, n. 5, nov. 2018

capa.jpg

Editorial

 

 

A Revista Partilhas é um periódico científico bilíngue anual editado pela IMFIC Editorial pertencente ao Instituto Mineiro de Filosofia Clínica – IMFIC.  O periódico destina-se à publicação e divulgação de artigos inéditos da área de Filosofia, mais especificamente voltados à Filosofia Clínica, além de resenhas e traduções pertinentes à linha editorial da revista. Partilhas aceita trabalhos de professores e pesquisadores da Filosofia Clínica, bem como de outras linhas da terapêutica filosófica que esteja contemplada em nosso corpo editorial.

A capa traz a imagem do quadro realizada pela artista plástica Aya Andrade. O tênis, para quem é ou passou por Minas, escutou o Clube de Esquina, pegou aquele LP do Lô Borges, colocou na agulha para ouvir Canção Postal, irá se deparar com essa letra: Quando alguém passar/ E perguntar por mim/ Não esqueça de dizer/ Até amanhã, até amanhã, até amanhã / Não esqueça de sorrir/ Como eu tentei sorrir/ Quando alguém lembrar/ O que fui, o que sou, o que sei... A arte foi apresentada à Marta Claus, em Belo Horizonte, quando do último Encontro Mineiro que contou com sua participação, em 2017. Era a arte que ilustrou o Encontro Mineiro seguinte, em São João del-Rei, em que culminou por ser em sua homenagem.

Desta forma este quinto número é um número especial. É nossa homenagem à Marta Claus. Marta foi Filósofa Clínica, doutora em filosofia pelo Instituto Packter, mestre em ciências sociais da religião, pertencia ao quadro da Associação Portuguesa de Aconselhamento Ético e Filosófico, colaborou na fundação da Associação Nacional de Filosofia Clínica (ANFIC), e criou o Instituto Mineiro de Filosofia Clínica (IMFIC) juntamente com Izabel Cristina Pereira e Márcio José Andrade da Silva, fundou e foi editora desta Revista. Autora de diversos artigos na área da arte e da filosofia e filosofia clínica, lançou o livro Terapia em Filosofia Clínica – percepções e aprendizagem (2004), em coautoria com Vânia Dantas e Saurater Faraday, nele apresentava relatos das experiências em consultório, buscando auxiliar quem adentra neste campo terapêutico.

Este número traz alguns artigos, resultados das pesquisas e estudos da Marta, voltados para a Filosofia Clínica, como terapia, mas também para a formação do filósofo clínico.

O primeiro artigo, A Psicologia Estruturalista e a Filosofia Clínica, compreende um estudo comparativo entre os ensinamentos de Wundt e Titchner e os estudos realizados por Lucio Packter. No artigo seguinte, O corpo do partilhante na clínica filosófica, em coautoria com Vânia Dantas, expõem considerações sobre a perspectiva da Filosofia Clínica sobre o corpo de quem lhe procura.  O terceiro artigo, As filosofias aplicadas emergentes em fins do século XX e início do século XXI, é um texto referencial para quem que compreender as diferenças entre as diversas formas de terapias fundamentadas na filosofia. Desde sua origem na Grécia até os tempos atuais. O artigo seguinte, A categoria Circunstância na filosofia orteguiana e  packteriana, o que é Circunstância para o filósofo Ortega y Gasset? No que difere e se aproxima do conceito elaborado por Lúcio Packter? Este estudo busca compreender como o conceito se mostra na Filosofia Clínica. O texto seguinte, A Filosofia Clínica Brasileira na Espanha, é um breve relato, uma página de diário, sobre os estudos realizados pelo Instituto Packter na Universidade de Sevilha (Espanha) com o professor Rastrojo e as parcerias estabelecidas pelo IMFIC, para futuros estudos. O sexto artigo, Neurociência e Filosofia Clínica, é fruto de um curso sobre neurociência realizado pelo CEAT, no qual Marta, através desse artigo, buscou aproximar essas duas áreas de estudos.

 

Os três artigos seguintes são estudos realizados sobre a Historicidade, conceito basilar na Filosofia Clínica, desta maneira teremos: Considerações acerca do modelo artesanal de constituição de uma historicidade, a forma em que se trabalha com a Filosofia Clínica, desde o momento inicial, com a coleta da historicidade e os procedimentos seguintes, como os exames categoriais, a montagem da Estrutura de Pensamento e os procedimentos submodais; em Historicidade - da teoria à prática clínica, qual a fundamentação teórica da Filosofia Clínica? Ao contrário de outras terapias, já sedimentadas em um sistema, a Filosofia Clínica vem discutindo muito sobre quais bases ela se fundamenta. Este é o cerne do artigo. Em A possibilidade da historicidade do partilhante como fundamentação teórica da prática clínica; o terceiro artigo da trilogia visa a fundamentação teórica da prática clínica, para a autora ela se encontra na historicidade do partilhante e seus desdobramentos. No décimo artigo, Quem é o Filósofo Clínico e quem é o Partilhante na concepção de Hélio Strassburger, quem são esses dois sujeitos sem os quais não há a possibilidade da terapia na Filosofia Clínica? Antes de analisar os conceitos elaborados pelo filósofo clínico Strassburger, a autora busca como outras filósofas clínicas e o sistematizador da Filosofia Clínica formularam a compreensão desses personagens.

 

O artigo seguinte Marta Claus – questões psiquiátricas no consultório filosófico - fragmento, é parte da transcrição da última palestra proferida pela Marta Claus, no XV Encontro Mineiro, em 2017, na cidade de Belo Horizonte/MG, onde ela analisa a relação da(s) psiquiatria(s) com a Filosofia Clínica. E encerrando esse número, reproduzimos parte do Relatório de Estágio Supervisionado, que serviu para Marta obter o Certificado A, sob orientação do prof. Hélio Strassburger. Aqui, o leitor poderá ter um vislumbre de um atendimento em Filosofia Clínica. Com a devida autorização por parte do partilhante, que permitiu que sua historicidade seja utilizada de forma educacional pelos colegas da filosofia clínica.

  

Boa leitura.

Conselho Editorial

Assinatura-Marta.gif
In memorian